Melhorias Tecnológicas

Melhorias Tecnológicas

O que é?

O objetivo do projeto é realizar um estudo piloto de Inventário do Ciclo de Vida (ICV) das rochas ornamentais e criar uma metodologia de levantamento sistemático de dados da cadeia produtiva do setor de rochas, de acordo com as representatividades tecnológicas e eficiência das indústrias do setor.

Como resultado o ICV alimentará um banco de dados, com quantitativos químicos, físicos e energéticos; entradas e saídas de materiais e energia em toda a cadeia produtiva de rocha ornamental, da extração à saída da fábrica, gerando informações que servirão para análise e seleção de processos, insumos e equipamentos, que podem orientar importantes decisões para o aprimoramento tecnológico, econômico, energético e ambiental.

Principais resultados

  • Quantificar emissões ambientais para o ar, água e solo em relação aos estágios ou ao processo que mais contribui.
  • Promover informações sobre os produtos, instruindo a comunidade local, regional, nacional e internacional.
  • Melhorar o desempenho ambiental do processo e dos produtos, visando à certificação ABNT NBR ISO 14025.
  • Com o uso desta ferramenta, devidamente sistematizada para aplicar a realidade das empresas do setor de rochas ornamentais será possível responder a seguinte pergunta: O que é mais impactante ao meio ambiente: uma tonelada de chapas de granito ou cerâmica? de carpete ou madeira? vidro ou alumínio?

Com a aplicação normativa da metodologia de ICV/ACV pode-se gerar um documento que prove a eficiência produtiva e ambientalmente benigna de uma indústria e de um produto, e ainda valer-se de uma excelente credencial para o marketing social da empresa, que pode influenciar muito a competitividade e seus lucros.

Importância para o setor

As questões ambientais relacionadas às atividades da indústria e do comércio assumiram importância crescente e a exigência de um meio ambiente saudável transcendeu as fronteiras nacionais de qualquer país. Constituem-se, hoje, em requisito de peso a ser atendido no comércio internacional, além de desafio às empresas em mostrar aos consumidores, cadeias produtivas, mercados, órgãos de governo e às entidades internacionais, os aspectos ambientais positivos dos produtos e serviços.

A participação do Estado do Espírito Santo, no total gerado das exportações brasileiras de rochas ornamentais, continua sendo expressiva, representando 66,4% do total geral no primeiro semestre de 2011, com um faturamento superior a US$ 760.000.000,00.* No entanto, o Setor de Rochas Ornamentais, a despeito da sua importância para o País, vem sendo notado como um dos principais poluidores e causadores de impactos ambientais no estado do Espírito Santo, principalmente em Cachoeiro de Itapemirim, onde há uma maior concentração das empresas. Os gastos com energia e água, bem como a grande quantidade de resíduos do processo de extração e beneficiamento de rochas ornamentais, impactam já há certo tempo o meio ambiente. Ações concretas devem ser tomadas com o objetivo de diminuir esse impacto e minimizar a gravidade dos problemas causados.

A criação de um Selo de Certificação de Rochas Ornamentais, no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - SBAC, em consonância com os princípios da norma ABNT NBR ISO 14025 e da Avaliação do Ciclo de Vida - ICV/ACV, funcionaria como resposta do setor a possível barreira comercial às exportações brasileiras.

Com a realização do Projeto ICV/ACV podemos destacar a importância da sistematização de padrões de produção que visa melhorar a qualidade dos produtos em todos os aspectos principalmente a questão de tornar a rocha um produto ambientalmente correto e sustentável. Depois de pronto, as ferramentas do ICV/ACV poderão demonstrar para os produtores e consumidores através de quadros comparativos entre produtos concorrentes (cerâmica, carpete, madeira ou mármore por exemplo) quais produtos são melhores, quais duram mais e degradam menos o meio ambiente.
 

*fonte: http://www.abirochas.com.br/